O ka’á-eté, ou floresta verdadeira em tupi, era a forma como os antigos indígenas da Mata Atlântica chamavam a floresta intocada, virgem. É a floresta primitiva, caracterizada por árvores imponentes, sub-bosque aberto e sombrio e enorme biodiversidade. Surpreendetemente, o ka’á-eté resiste até os dias de hoje em partes específicas desse bioma, notadamente na região conhecida como “Contínuo Ecológico de Paranapiacaba”. É sobre essa floresta que este livro trata.

Fruto de mais de 4 anos de trabalho, o livro trás 161 imagens do fotógrafo Octavio Campos Salles, retratando as belezas naturais de uma das florestas mais ameaçadas do mundo. São fotos variadas dos animais, plantas, paisagens e outros aspectos naturais da Mata Atlântica. Os textos trazem os motivos históricos que levaram à preservação dessa parte do bioma, além de alguns fatos ecológicos.

O projeto é uma realização do Ministério da Cultura e da TIJD Produções Artísticas, com patrocínio da MAHLE e RENOVIAS, e apoio logístico da RPPN Parque do Zizo. Seu principal produto é o livro artístico, mas outros produtos culturais também fizeram parte do projeto, como palestras educativas em escolas públicas e exposições em parques de cidades variadas, com enfoque no entorno do Contínuo de Paranapiacaba.

palestra expo

Imprensa: Filomena Sayão Comunicações
+55 11 3541-3577, 3289-6429, 9-9992-1266
filosayao@filosayao.com.br